Svitolina duvida das condições do US Open: «Não são as ideais»

Svitolina duvida das condições do US Open: «Não são as ideais»

Por Tiago Ferraz - junho 22, 2020
Svitolina
Tennis – Australian Open – Third Round – Melbourne Park, Melbourne, Australia, January 19, 2019. Ukraine’s Elina Svitolina reacts during the match against China’s Zhang Shuai. REUTERS/Edgar Su – UP1EF1J07LL3E

A tenista ucraniana Elina Svitolina deu uma entrevista a um órgão de comunicação ucraniano onde deixa no ar algumas dúvidas quanto ao plano de realização do US Open.

“É fantástico que o ténis regresse, mas todos os jogadores têm imensas perguntas a fazer. Atualmente, as condições que nos oferecem não são as ideais porque haverão muitos testes, teremos que ficar isolados e não sabemos que o que vai acontecer com os pontos e com o dinheiro. Se a WTA decidir que os torneios não vão dar pontos, não sei se terá sentido eu ir jogar o torneio. Sei que vão haver mais reuniões nas próximas semanas e vamos conhecendo mais dados”, afirmou.

Elina Svitolina não tem dúvidas acerca do esforço que a USTA e o US Open estão a fazer para que o torneio se realize sendo que o próprio vai mesmo começar a 31 de agosto:

“Não há dúvidas de que a USTA e o US Open vão fazer todos os possíveis para que o torneio se realize da melhor forma possível e com o objetivo de que nenhum jogador fique doente durante o torneio. Como disse, as condições não são as ideais e há aspetos que agradam a mesmo muito pouca gente. De acordo com a regra veiculada, se algum(a) tenista tiver sintomas poderia ser eliminado em qualquer ronda da competição e ter que ficar lá 14 dias isolado se ter contacto com ninguém. Veremos o que vai acontecer. Espero que tudo corra pelo melhor e que se volta à normalidade o mais rápido possível”, ressalvou, citada pelo Punto de Break.

Tiago Ferraz
Jornalista de formação, apaixonado por literatura, viagens e desporto sem resistir ao jogo e universo dos courts. Iniciou a sua carreira profissional na agência Lusa com uma profícua passagem pela A BolaTV, tendo finalmente alcançado a cadeira que o realiza e entusiasma como redator no Bola Amarela desde abril de 2019. Os sonhos começam quando se agarram as oportunidades.