Swiatek lembra de Monica Seles e pede por mais segurança no tênis

Swiatek lembra de Monica Seles e pede por mais segurança no tênis

Por José Morgado - maio 16, 2024
epa11314633 Iga Swiatek of Poland celebrates winning her semifinal match against Madison Keys of USA at the Madrid Open tennis tournament in Madrid, Spain, 02 May 2024. EPA/Chema Moya

Iga Swiatek, número 1 do mundo, manifestou nesta semana sérias preocupações quanto à segurança dos jogadores após os recentes protestos no Internazionali BNL D’Italia. Estes incidentes a fizeram lembrar o infame ataque a Monica Seles, que foi esfaqueada por um fã perturbado durante um jogo em 1993, na cidade alemã de Hamburgo.

Durante uma coletiva de imprensa, Swiatek refletiu sobre o terrível incidente com Seles. “Às vezes penso nisso, especialmente quando vejo como o mundo funciona atualmente. As pessoas estão dispostas a fazer qualquer coisa para chamar a atenção”, disse, citada pelo ‘Express’.

Os protestos no Masters italiano fizeram com que a polícia e os bombeiros fossem chamados depois de os manifestantes terem invadido as quadras e terem colado nas arquibancadas. Dois jogos foram adiados devido ao fato de os ativistas do clima terem atirado confetes nas quadras e um terceiro protesto foi impedido na Grand Stand Arena.

Swiatek, que não viu os protestos de perto, admite que não percebeu como os manifestantes se aproximaram dos jogadores: “Não vi os protestos. Ouvi dizer que estava acontecendo alguma coisa, mas não sei se eles estavam realmente perto dos jogadores ou não.”

Com as crescentes preocupações sobre a segurança no circuito, Swiatek sugere um reforço da segurança: “A melhor coisa seria provavelmente aumentar a segurança. Nunca estive numa situação em que a segurança tivesse que reagir enquanto estou em quadra. Mas confio que a WTA estará pronta para reagir se algo acontecer”, confessou a polonesa.

Apaixonei-me pelo ténis na épica final de Roland Garros 2001 entre Jennifer Capriati e a Kim Clijsters e nunca mais larguei uma modalidade que sempre me pareceu muito especial. O amor pelo jornalismo e pelo ténis foram crescendo lado a lado. Entrei para o Bola Amarela em 2008, ainda antes de ir para a faculdade, e o site nunca mais saiu da minha vida. Trabalhei no Record e desde 2018 pode também ouvir-me a comentar tudo sobre a bolinha amarela na Sport TV. Já tive a honra de fazer a cobertura 'in loco' de três dos quatro Grand Slams (só me falta a Austrália!), do ATP Masters 1000 de Madrid, das Davis Cup Finals, muitas eliminatórias portuguesas na competição e, claro, de 13 (!) edições do Estoril Open. Estou a ficar velho... Email: josemorgado@bolamarela.pt