Wild: «Esta semana percebi que tenho nível para jogar frente aos melhores»

Wild: «Esta semana percebi que tenho nível para jogar frente aos melhores»

Por Tiago Ferraz - março 2, 2020
titulo-wildthiago

Thiago Wild fez história para o ténis brasileiro depois de ter vencido o ATP 250 de Santiago, no Chile, este domingo, ao bater o norueguês Casper Ruud.

Já depois da brilhante conquista, o jovem brasileiro falou da importância do momento e diz que se inspira em Rafael Nadal:

«O meu grande ídolo é Rafael Nadal. Penso que, nos próximos 200 anos, não vai existir alguém como ele na terra batida. Além disso, ele é uma grande pessoa. Se conseguisse, pelo menos, 20% do que ele já conquistou já era a pessoa mais feliz do mundo. O ténis é a minha grande paixão, adoro competir e deixar tudo em court. Tenho que melhorar no que diz respeito às minhas emoções. E o facto de eu ser um tenista muito apaixonado fez com que eu perdesse a concentração em alguns momentos. Esta semana percebi que tenho nível para jogar frente aos melhores», revelou em entrevista à plataforma oficial ATP.

O tenista brasileiro falou também daquilo que poderá ser agora o futuro na carreira:

«Tenho muita margem de progressão no meu ténis. Preciso de treinar muito e quando me sinto mais confortável é depois de ter treinado duas ou três semanas a bom nível nos treinos. Ter conseguido isto e ter a clara sensação de que ainda há muito a melhorar no meu jogo é uma sensação fantástica. Levantar-se, todos os dias, com vontade de melhorar é o mantém as lendas do Big Three no topo e eu quero ter essa forma de trabalhar. Não coloco objetivos de ranking nem nada. O meu desejo é ser melhor que ontem e pior do que amanhã», disse.

O tenista brasileiro brincou ainda com a forma como vai festejar a vitória no torneio:

«Eu vou voar para a Austrália para jogar a Davis Cup. Ainda assim, o eu aniversário é dia 10 de março e eu vou voltar a casa no dia 9. Nesse sentido, eu acho que vou ter que festejar depois disso», brincou.

 

Tiago Ferraz
Jornalista de formação, apaixonado por literatura, viagens e desporto sem resistir ao jogo e universo dos courts. Iniciou a sua carreira profissional na agência Lusa com uma profícua passagem pela A BolaTV, tendo finalmente alcançado a cadeira que o realiza e entusiasma como redator no Bola Amarela desde abril de 2019. Os sonhos começam quando se agarram as oportunidades.