Thiago Wild arrisca prisão após ser acusado de violar quarentena

Thiago Wild arrisca prisão após ser acusado de violar quarentena

Por José Morgado - março 27, 2020
wild

A semana não tem sido boa para Thiago Wild. O jovem brasileiro de 20 anos, 114.º tenista ATP e uma das boas esperanças do ténis mundial, anunciou que tinha sido infetado pelo coronavírus e agora está a ser investigado pela Polícia Civil do Paraná, depois de múltiplas denúncias — suportadas por imagens — de que o recentemente campeão do ATP 250 de Santiago do Chile terá violado a quarentena enquanto esperava pelo resultado do teste.

Segundo a acusação, Wild teria sido visto durante a quarentena a sair de casa em Marechal Cândido Rondon enquanto aguardava o resultado do teste para o novo coronavírus. O tenista pode ser enquadrado no artigo 268 do Código Penal (infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa). A pena é de detenção de um mês a um ano, além de multa.

View this post on Instagram

Stay safe everyone 🦠

A post shared by Thiago Seyboth Wild (@thiagoswild) on

“Gostaria de esclarecer que, desde ontem, quando recebemos as primeiras denúncias de que o atleta Thiago Wild poderia de alguma forma ter desrespeitado normas de isolamento social, iniciamos a apuração do fato. Hoje fomos oficiados pelo Ministério Público e pelo Judiciário Local, solicitando também a apuração minuciosa desse acontecimento. Tudo partiu de um vídeo publicado pelo próprio atleta em que ele relata apresentar alguns sintomas e que, com a confirmação da infeção pelo Covid-19, ele passaria então a ficar em isolamento. Sendo assim, diversas denúncias chegaram a nós de que, anteriormente a esse vídeo, o atleta foi visto transitando em locais na cidade, por isso então a instauração desse procedimento para apurar se ocorreu algum tipo penal imputável ao atleta. Os órgãos de segurança, saúde e sanitários de Marechal Cândido Rondon tem minuciosamente implantado todas as medidas necessárias ao combate ao Covid-19 e tenho certeza que as pessoas que de alguma forma as desrespeitem sofrerão as consequências pelos órgãos fiscalizadores”, referiu o delegado policial Roberto Santos, ao ‘Globoesporte.com’.

Wild já reagiu entretanto às acusações em comunicado. “Eu, Thiago Seyboth Wild, venho através da presente nota, esclarecer alguns fatos que se tornaram alvo de mentiras, o que gerou proporções muito maiores de pessoas desocupadas, que sequer tinham qualquer conhecimento da realidade, que divulgaram inúmeros áudios no WhatsApp e em redes sociais.

 
Quando no primeiro vídeo que postei sobre a minha situação, ao me referir que tenho levado uma “vida normal”, pretendi demonstrar que, o meu dia a dia, é como de qualquer outra pessoa em uma situação em quarentena, tomando os devidos cuidados e não expondo ninguém ao risco, diferentemente do que entenderam.
 
A minha vida, como atleta, tem rotinas diárias de treinamentos, resumindo-se a: acordar, me alimentar, treinar e voltar a me alimentar e novamente a treinar até o momento de repousar e iniciar tudo outra vez no dia seguinte, fato este que para mim, é uma situação normal e que apenas tem interrupções mediante torneios e férias.
 
Assim, quando apresentei o menor sintoma que pudesse caracterizar contágio por COVID-19, prontamente me isolei em casa e aguardei orientações médicas, isto ainda no Rio de Janeiro, dia 15/03/2020.
 
No dia 17/03/2020, não mais tendo a febrícula que havia apresentado (37,5°, quando o normal é entre 36,5 a 37°), em decisão conjunta com meu treinador e o médico particular que me atende no Rio de Janeiro, optei por me tratar juntamente a meus familiares, SEMPRE TOMANDO TODOS OS CUIDADOS NECESSÁRIOS.
 
Estando em minha cidade natal, não tive contacto com qualquer outra pessoa, apenas necessitei ir ao cartório, onde foram tomados todos os cuidados necessários, tais como, utilização de álcool em gel e NENHUM CONTACTO FÍSICO COM QUALQUER PESSOA.”
José Morgado
Jornalista do Jornal Record e Comentador Sport TV. Ténis 24/7.