Protocolos do Australian Open levantam receio de dezenas de testes positivos antes do torneio

Protocolos do Australian Open levantam receio de dezenas de testes positivos antes do torneio

Por Bola Amarela - dezembro 22, 2021
AusOpen
MELBOURNE, AUSTRALIA – FEBRUARY 10: General view inside Margaret Court Arena as Ajla Tomljanovic of Australia plays a forehand in her Women’s Singles second round match against Simona Halep of Romania during day three of the 2021 Australian Open at Melbourne Park on February 10, 2021 in Melbourne, Australia. (Photo by Cameron Spencer/Getty Images)

O Australian Open de 2021 ficou marcado por vários casos antes do arranque da competição, o que levou a que dezenas de jogadores ficassem em isolamento. Ora, os novos protocolos que vão ser utilizados na edição de 2022 podem fazer com que algo do mesmo género vá acontecendo, especialmente porque não haverá voos charter. Os tenistas estão à vontade para utilizar voos comerciais, onde cresce o risco de contágio, sendo que depois da chegada pode tudo ficar mais complicado.

Explicamos porquê. O protocolo de testagem implica que um primeiro teste seja feito até 72 horas antes do embarque no voo para a Austrália. O segundo é feito à chegada ao aeroporto ou ao hotel em Melbourne, Sydney ou Adelaide. Haverá lugar a um terceiro teste no sexto dia depois de chegada à Austrália e a partir daí os tenistas estão livres. Além de tudo, não haverá uma bolha como em 2021, o que leva ao receio de que dezenas de tenistas vão testando positivo, especialmente na terceira ‘oportunidade’.

Tudo indica que mesmo uma larga quantidade de casos positivos pode deixar os quadros principais do Australian Open intactos, visto ainda haver tempo para fazer os dez dias de isolamento e ainda ter alguns treinos. No entanto, os torneios de preparação e o qualifying podem sofrer muito com os eventuais testes positivos.

Bola Amarela