Murray resistiu a maratona: «Era bom se tivesse sido mais curto mas dá-me mais confiança assim»

Murray resistiu a maratona: «Era bom se tivesse sido mais curto mas dá-me mais confiança assim»

Por Bola Amarela - janeiro 12, 2022

Podia ter sido consideravelmente mais rápido, mas Andy Murray sobreviveu a uma intensa batalha de 3h15 para se colocar nos quartos-de-final do ATP 250 de Sydney. O antigo número um do mundo, hoje em dia 135.º colocado da hierarquia mundial masculina, confessou que gostou da maneira como o corpo reagiu ao desgaste, embora preferisse ter colocado um ponto final mais cedo.

“Estar tanto tempo em court é bom, embora tivesse gostado de fechar o encontro antes. Fisicamente estive bem e não fiquei demasiado esgotado, mesmo com a humidade. Mas não é fácil jogar um encontro assim, a acabar tão tarde. Estive o dia inteiro às voltas até ao meu encontro. Era bom se tivesse mais curto, mas dá-me mais confiança assim. No fim, até me sobrou alguma gasolina no tanque”, confessou.

Aos 35 anos, e fora do top 100, Murray continua a lutar e explicou algumas adaptações que fez para alcançar uma vitória significativa contra o 2.º cabeça-de-série. “No ano passado tive algumas boas vitórias, mas agora mudei de raquetes. Ter uma vitória assim no início da época confirma que a raquete nova funciona e vai dar-me mais confiança. Se perdesse muitos encontros agora, podia começar a ficar com dúvidas. Esta é uma boa vitória para mim por várias razões mas espero juntar muitas mais nas próximas semanas”, rematou.

A próxima pode acontecer já na próxima madrugada, quando Murray medir forças com David Goffin na luta por um lugar nas meias-finais.

Bola Amarela