Fritz e as poucas emoções em campo: «Se nunca estou contente comigo, fica difícil animar-me»

Fritz e as poucas emoções em campo: «Se nunca estou contente comigo, fica difícil animar-me»

Por Nuno Chaves - outubro 14, 2021
epa09522654 Taylor Fritz of the US in action against Jannik Sinner of Italy at the BNP Paribas Open tennis tournament at the Indian Wells Tennis Garden in Indian Wells, California, USA, 13 October 2021. EPA/RAY ACEVEDO

Taylor Fritz está a realizar uma das melhores semanas do ano – e da carreira – ou não estivesse nos quartos de final em Indian Wells, tendo já eliminado nomes como Matteo Berrettini ou Jannik Sinner.

O norte-americano apresenta sempre uma atitude em court mais conservadora, sem demonstrar muitas vezes alegria e foi o próprio a revelar o porquê.

“Na maioria das vezes não estou contente comigo mesmo, por isso, fica difícil animar-me demasiado. Sou sempre muito duro comigo mesmo mas é algo em que tenho tentado trabalhar”, revelou após garantir o passaporte para o top 8 na Califórnia.

“Agora estou super feliz pela minha forma de jogar, pela forma como ganhei aos meus últimos dois adversários e como o público reagiu”, concluiu.

Nuno Chaves
Jornalista na TVI; Licenciado em Ciências da Comunicação na UAL; Ténis sempre, mas sempre em primeiro lugar.