Evans desiludido com derrota frente a Federer: «Não estou em campo para aprender com ninguém»

Evans desiludido com derrota frente a Federer: «Não estou em campo para aprender com ninguém»

Por Nuno Chaves - março 10, 2021
DOHA, QATAR – MARCH 09: Daniel Evans of Great Britain plays a backhand in his Round One match against Jeremy Chardy of France during Day Two of the Qatar ExxonMobil Open 2021 at Khalifa International Tennis and Squash Complex on March 09, 2021 in Doha, Qatar. (Photo by Mohamed Farag/Getty Images)

Daniel Evans fez uma grande exibição, no entanto, não foi suficiente para derrotar Roger Federer no seu regresso à competição.

No final da partida, o britânico mostrou-se desiludido, apesar da boa prestação. “Foi um jogo muito equilibrado, daqueles que custa perder. Creio que não fiz nada especialmente mal quando tive break points no terceiro set. Foi nesses momentos onde ele elevou o nível, notei isso especialmente nos últimos cinco jogos”, admitiu.

Evans recusou ainda a temática de que a derrota custa menos quando se defronta Federer. “Não vou para o campo para aprender com ninguém, vou para ganhar. É genial treinar com ele mas hoje ele ganhou-me e eu vinha com o objetivo de ganhar o torneio. Não estou contente com a derrota, mesmo que tenha sido contra o Roger”, explicou aos jornalistas.

E será que Evans sentiu Federer fora de forma? “As condições não eram as melhores, havia muito vento e ele teve de se adaptar. Ele soube gerir bem os esforços e não o senti cansado no terceiro set. Talvez estivesse, mas não percebi em nenhum momento. Creio que está em muito boa forma, houve noites no último mês onde estivemos praticamente três horas a treinar”.

“Senti muito a forma como me pressionava nos momentos decisivos. Foi tremendo ver a maneira em que aumentava a sua agressividade e intensidade de pernas. Não é nada agradável quando queres ganhar a um jogador como ele. Creio que deixou claros detalhes em relação ao quão bom ele. Ao ter treinado com ele sentia-me com opções de desenhar um bom esquema de jogo mas foi difícil sair da linha de fundo”, concluiu.

Nuno Chaves
Jornalista na TVI; Licenciado em Ciências da Comunicação na UAL; Ténis sempre, mas sempre em primeiro lugar.