Djokovic recorda o dia onde pensou deixar o ténis: «Senti que os meus sonhos se estavam a destruir»

Djokovic recorda o dia onde pensou deixar o ténis: «Senti que os meus sonhos se estavam a destruir»

Por Nuno Chaves - março 6, 2021
djokovic-melzer

Novak Djokovic é o atual número um mundial e o principal dominador do circuito nos últimos anos, no entanto, as coisas nem sempre correram de feição.

Até 2011, ano em que explodiu verdadeiramente, Nole passou por períodos complicados e o próprio recordou aquele que terá sido o mais difícil da sua carreira: a derrota com Jurgen Melzer nos quartos de final de Roland Garros em 2010, num duelo onde o sérvio deixou fugir uma vantagem de 2-0 em sets.

“Depois de perder com o Melzer estive a chorar desconsoladamente em casa do meu treinador, o Marian Vajda. Foi a primeira vez em que senti um grande impulso para deixar o ténis. Senti que o meu mundo e os meus sonhos se estavam a destruir, que não era suficientemente bom para alcançar as metas que queria. Choquei contra um muro, estava muito mal mentalmente”, recordou Djokovic.

O sérvio relembrou a importância que os seus treinadores da altura (Marian Vajda Miljan Amanovic) tiveram para que fosse possível ultrapassar a fase mais negativa. “Tanto o Vajda como o Miljan deixaram-me chorar ali e estou-lhes agradecido por isso. Foi um momento chave. A narrativa no mundo do desporto é que um treinador tem que ser alguém muito forte, capaz de te levantar, de te mostrar que és mais forte do que pensas quando te sentes frágil. Para mim, os melhores treinadores são aqueles que estão aí como amigos, seres humanos, treinadores que são o teu ombro para que possas chorar nele”, revelou.

Certo é que depois desse momento onde pensou deixar o ténis, Djokovic partiu em 2011 para o estrelato e, desde esse ano, conquistou 17 dos seus atuais 18 títulos do Grand Slam.

Nuno Chaves
Jornalista na TVI; Licenciado em Ciências da Comunicação na UAL; Ténis sempre, mas sempre em primeiro lugar.