As cinco perguntas mais importantes do verão de 2021 no circuito ATP

As cinco perguntas mais importantes do verão de 2021 no circuito ATP

Por Pedro Gonçalo Pinto - julho 17, 2021
djokovic-nadal

Com o torneio de Wimbledon já cravado nos livros da história, viramos a página para o sempre atribulado e emocionante verão no ténis mundial. Temos umas curtas semanas de regresso à terra batida antes de seguirmos viagem para os hard courts nos Estados Unidos, mas este ano também há direito a um torneio olímpico com muitas (e grandes) baixas. Há diversos temas determinantes em discussão, pelo que aqui deixamos cinco perguntas que prometem ajudar a definir aquilo que vem aí num verão que promete ser muito quente no ATP Tour.

Novak Djokovic vai conquistar o Golden Slam?

É a pergunta para um milhão de dólares. O principal desafio nesta empreitada era conquistar Roland Garros e o número um do mundo riscou esse objetivo da lista, depois de ganhar o Australian Open e antes de se agarrar a Wimbledon com propriedade. Djokovic ainda levantou dúvidas sobre os Jogos Olímpicos, mas vai mesmo viajar para Tóquio num torneio enfraquecido e que fica à sua medida. Resta saber se confirma o favoritismo teórico antes de um US Open que se promete aliciante: é a primeira vez que Djokovic, Nadal e Federer vão competir com 20 títulos do Grand Slam cada um.

De que forma é que Rafael Nadal irá voltar à competição?

A derrota no épico duelo das meias-finais de Roland Garros com Novak Djokovic deixou marcas no tenista espanhol, que ‘saltou’ Wimbledon e os Jogos Olímpicos. Agora, tem preparado um verão de calendário cheio nos Estados Unidos, a começar pelo torneio de Washington, onde nunca tinha competido na carreira. O maiorquino certamente voltará cheio de vontade de recuperar a melhor forma, tendo em vista o US Open, onde vai finalmente defender o título de 2019, depois de não ter jogado a edição do ano passado.

Ainda vamos ver Juan Martín Del Potro competir?

É a notícia por que tantos aguardam ansiosamente. Del Potro teve de ir à mesa de operações por uma quarta vez para tratar novamente do joelho direito, sendo que agora está a dar passos firmes na sua recuperação e já vai trabalhando no court. Ninguém sabe muito bem qual é que é a meta realista nesta altura, mas era uma história muito bonita vermos DelPo ganhar algum ritmo nos torneios norte-americanos para poder entrar em ação no US Open.

O que esperar de Dominic Thiem?

Aquilo por que o austríaco tem passado é complicado de assistir. Depois de todos os problemas que assumiu na sequência do título no US Open, parecia finalmente a recuperar a força… e lesionou-se no pulso direito com gravidade. Está a ser um ano totalmente para esquecer para Thiem, que ainda nem sabe se estará apto fisicamente para regressar a Flushing Meadows para tentar defender o título alcançado em 2020.

Roger Federer tem forças para fazer a diferença no US Open?

A maneira como o suíço perdeu em Wimbledon deixou muitos a pensar que se tratou do fim da linha no que às hipóteses de conquistar um Grand Slam diz respeito. Afinal de contas, tratava-se do ‘seu’ Major, da ‘sua’ relva, da ‘sua’ catedral no All England Club. Agora, desistiu dos Jogos Olímpicos justificando com um reagravamento da lesão no joelho direito, tendo a vontade de voltar mais tarde no verão. O que é que vai apresentar no US Open já com 40 anos feitos em agosto?

Pedro Gonçalo Pinto