A profunda reflexão de Djokovic sobre o sucesso: «Lidar com a derrota é o que define um ser humano»

Por Nuno Chaves - 14 agosto, 2019

Novak Djokovic é sempre uma das maiores vozes  do circuito mundial, onde fala, constantemente, de muitos e variados assuntos que marcam a atualidade. A sua conferência de imprensa, após a vitória frente a Sam Querrey no ATP 1000 de Cincinnati, ficou marcada por um tópico: o sucesso.

Djokovic ofereceu uma profunda reflexão. “Falei muito com a minha equipa sobre qual é a definição do êxito, não só no ténis como na vida em geral. O ténis e o desporto ajudam-te a construir o teu caráter através da vitória e derrotas. Muitos jogadores vão dizer – é totalmente certo – que aprendes muito mais quando perdes que quando ganhas. Quando ganhas um jogo, essa sensação dissolve-se mais depressa que uma derrota, que fica marcada durante muito mais tempo”, afirmou o líder do ranking mundial.

Mas a reflexão continuou. “O que te define como ser humano e como desportista é como consegues ultrapassar a derrota, como lidas com ela. Podes enfrentá-la e permitir que, de certo modo, te faça crescer psicologicamente e emocionalmente e te faça mais forte ou podes deixar que te controle e, no final, afunda-te”, referiu numa muito interessante conferência de imprensa.

Djokovic voltou a abordar a nova geração. “Às vezes sinto que há demasiada pressão nos ombros dos jogadores jovens. Têm de ser campeões de Grand Slam, têm de entrar no top 10, têm de fazer isto e aquilo. A verdade é que só 0,5 ou 0,6% dos jogadores que foram adotados nas estatísticas conseguiram ter tanto sucesso para entrarem no top 100. Que se passa com os 99,5%? Alguém vai dizer que é a vida. Penso que a sociedade e o desporto precisam de abordar isto de uma forma mais suave e ter mais compaixão com todos os jovens desportistas: mesmo que não tenhas sucesso em chegar o mais alto desportivamente, ainda podes ter sucesso na vida. Não é o fim do mundo”, concluiu Djokovic.

Nuno Chaves
Jornalista na TVI; Licenciado em Ciências da Comunicação na UAL; Ténis sempre, mas sempre em primeiro lugar.