A explicação fantástica e rigorosa de Djokovic sobre o porquê de dominar o circuito com Federer e Nadal

Por Nuno Chaves - julho 9, 2019
djokovic-wimbledon
Tennis – Wimbledon – All England Lawn Tennis and Croquet Club, London, Britain – July 8, 2019 Serbia’s Novak Djokovic celebrates after winning his fourth round match against France’s Ugo Humbert REUTERS/Andrew Couldridge – RC1E316DCE50

A edição de 2019 de Wimbledon tem oferecido várias surpresas mas há algo que continua a ser claro: o domínio de Roger FedererNovak DjokovicRafa Nadal – ambos garantiram a qualificação para os quartos de final do torneio de forma… muito fácil.

Djokovic, número um mundial, deu a sua opinião sobre este facto, que continua a ser uma constante nos principais torneios do circuito. “Acho que trabalhamos tanto como qualquer jogador que está aqui. Penso que a experiência que temos dá-nos confiança, tudo o que alcançámos nas nossas carreiras claro que transportamos para o court e depois a maioria dos jogadores sentem isso, sentem a pressão”, começou por dizer.

“Para nós é outro jogo no court central, campo onde já estivemos tantas vezes. Acho que essa é uma das razões pelas quais nos sentimos tão confortáveis e prontos para jogar o nosso melhor constantemente. Depois disto, são horas de treino, preparação, recuperação. É um estilo de vida. A dedicação compensa”, continuou, numa longa explicação.

“Cada um de nós é diferente mas temos isso em comum: simplesmente amamos este desporto e somos muito dedicados. Temos objetivos muito altos. Acho que nenhum de nós joga por diversão ou para fazer parte do circuito. Nós jogamos para ser os melhores do mundo. A competição entre nós durante os anos, levou-nos para o nível onde ainda estamos a competir”, afirmou o tenista de Belgrado.

A nova geração também foi tema de conversa. “Já falámos tantas vezes que vemos caras novas no circuito. Os novos jogadores vão, eventualmente, tomar os nossos lugares no topo. Isso vai acontecer? Quando? Espero que não seja daqui a pouco tempo, mas vai acontecer”.

Djokovic também deixou, claro está, muitos elogios a Federer e Nadal. É uma honra e um prazer estar na mesma era que estes dois rapazes. Sou o jogador que sou graças a eles, muito graças às rivalidades que tenho com cada um deles. Acho que só traz uma mensagem positiva para o nosso desporto, o facto de ainda jogarmos, o facto de ainda fazermos história pelo jogo”, reforçou Nole, que defronta David Goffin, nos quartos de final.

Nuno Chaves
Jornalista na TVI; Licenciado em Ciências da Comunicação na UAL; Ténis sempre, mas sempre em primeiro lugar.